Bate-papos

Fronteiras da experimentação: quando os quadrinhos flertam com as artes plásticas
Com: Beeau Gomez, DW RibatskiFabio Zimbres, Mariana Paraizo
Mediação: Pedro Franz
Quando: 08 de julho, das 11h30 às 13h30
Local: Sala de Espetáculos II (retirar ingresso com 30 min. de antecedência)
• O reconhecimento dos quadrinhos como uma forma legítima de arte é relativamente recente, apesar de muitos que ainda os julgam como um entretenimento barato e descompromissado. O flerte das HQs com as artes plásticas (e vice-versa), no entanto, é quase tão antigo quanto sua própria existência.
Nesta mesa, conversaremos com artistas que desafiam as convenções gráficas do quadrinhos e deixam cada vez mais difusa a linha que separa a HQ das belas artes.

O legado de Toninho Mendes e da Circo Editorial
Com: Fernando Gonsales, Franco de Rosa, Laerte, Luiz Gê
Mediação: Gualberto Costa
Quando: 08 de julho, das 16h00 às 18h00
Local: Sala de Espetáculos II (retirar ingresso com 30 min. de antecedência)
• Falecido no dia 18 de janeiro deste ano, Toninho Mendes é uma verdadeira lenda do mercado editorial brasileiro. No período da ditadura militar, participou da imprensa alternativa em jornais como Movimento e Versus. Em 1980, na mesma época em que trabalhava na iniciante revista IstoÉ, montou sua primeira editora, a Marco Zero, pela qual lançou apenas três livros.
Mas o passo que mudaria os rumos de sua vida (e também dos quadrinhos brasileiros) veio em 1983, com a fundação da editora Circo. Percebendo um momento singular no humor gráfico, em que nomes como Angeli, Laerte, Glauco, Luiz Gê e os irmãos Caruso começavam a se destacar nos jornais e semanários, Toninho deu vida a publicações antológicas como Chiclete com Banana, Geraldão, Piratas do Tietê e a homônima Circo, seguidas por outros títulos importantes como Níquel Náusea, Big Bang Bang e a polêmica Lúcifer.
Com grandes autores, personagens carismáticos e projetos gráficos arrojados, as revistas da Circo marcaram época e influenciaram gerações de leitores e autores.

HQs e imprensa: quem faz, quem noticia e quem critica
Com: Carolina Ito, Daniel Lopes, Lielson Zeni, Paulo Ramos
Mediação: Ramon Vitral
Quando: 09 de julho, das 11h30 às 13h30
Local: Sala de Espetáculos II (retirar ingresso com 30 min. de antecedência)
• Com o amadurecimento do mercado brasileiro de quadrinhos, cresce a demanda por conteúdo relacionado ao assunto, seja na forma de cobertura jornalística, seja no desenvolvimento de uma crítica especializada.
Nesta mesa, o jornalista Ramon Vitral conversará com pessoas que atuam neste ramo de maneiras diversas. Quem está fazendo crítica? Quem está fazendo jornalismo? Quem está divulgando? Que meios estão sendo utilizados para isto? Como é a relação entre artistas e editoras? Quais os critérios noticiosos utilizados pelos jornalistas e pelos meios de comunicação?

Quadrinhos para momentos de turbulência: abordagens políticas na HQ brasileira contemporânea
Com: Diego Gerlach, Fabiane Langona, Rafa Campos Rocha, Ricardo Coimbra
Mediação: Lielson Zeni
Quando: 09 de julho, das 16h00 às 18h00
Local: Sala de Espetáculos II (retirar ingresso com 30 min. de antecedência)
• A polarização e as turbulências políticas que assolam o país e o mundo não passariam despercebidas pelas HQs. Mas de que formas os quadrinistas estão retratando essa realidade? Quais são as intenções e como os quadrinhos podem influenciar no debate?
Reunindo quatro artistas com trabalhos bem distintos, o pesquisador, roteirista e mestrando Lielson Zeni investigará estas e outras questões.